Novas promos 2016 Novembro

Reverb Blog

TALKING TO MISS MÁ...

Por Colaborators | 13 comments

TALKING TO MISS M...

                                                                                                   foto Celso Tavares

Miss Má Oliveira tem 33 anos, é dj, professora, jornalista, tudo ao mesmo tempo - em horários alternados! É destaque nas noites do Studio SP, amiga das bandas do underground e uma das mulheres mais elegantes e carismáticas da cena paulistana. Em conversa via chat, ela nos contou como sua paixão pela música fez de sua vida uma eterna balada!

- A paixão pelo indie é antiga... conta para a gente como começou?

Começou no dia em que uma amigona minha que já nem mora mais no Brasil, a Jana Mauri, me levou para um porão lá da rua Augusta que se chamava Armagedon. Ela tinha um primo que costumava ir lá e ela resolveu fazer uma visita. Antes, a gente frequentava só lugares como a finada Up&Down (na Rua Pamplona) e a US Beef & Rock (na Rua Estados Unidos), que eram mainstream demais pra minha cabeça. Eu sempre fui diferente, não me sentia muito feliz nesses lugares convencionais. A música não me agradava e o look das pessoas (todas meio que iguais, etc.) também não.

Naquela época (começo dos anos 90), estávamos em pleno auge do grunge, mas na grande mídia só bandas como Nirvana e Pearl Jam tinham vez. Estudei a minha vida toda num colégio mega tradicional só para meninas (acredite se quiser!) e bom, rock não era uma coisa muito popular entre as moças... Enfim, quando pisei naquele porão insalubre (juro, era tosco!) da Augusta, a minha vida nunca mais foi a mesma. Sem exagero! Eu lembro que a primeira banda que me chamou a atenção foi o Smashing Pumpkins (que tinha acabado de lançar o Gish e só 2 anos depois ganharia o mundo com o Siamese Dream). Achei um absurdo aquele vocal esganiçado do Billy Corgan, aquele monte de guitarras barulhentas, era um som incrível!

Daí pro resto foi um pulo – eu comecei a fuçar todo tipo de informação sobre bandas, selos, cenas. Fiquei (lógico!) amiga do DJ da casa e ele começou a me gravar várias fitinhas com as bandas mais legais da época - Sonic Youth, Breeders, Pixies, Mudhoney, Pavement, Ride, Jesus & Mary Chain. Eu sempre digo que o Plínio teve influência direta na minha formação musical indie. Outra coisa que eu não perdia por nada nesse mundo era o programa Lado B, da MTV. Ficava com a TV ligada até a madrugada, só para ver o que o ‘reverendo’ Fábio Massari ia mostrar naquela semana.

                                             foto Fernanda Calfat

- E sua carreira de DJ?

Começou, claro, como brincadeira. Por gostar demais de música, eu sempre acabava amigona dos donos de casa noturna, dos DJs, e das bandas. Sempre estava dando uma mão pra algum amigo na organização de shows, festas, eventos. Não foi diferente quando o Atari Club (que ficava na Al. Lorena) abriu as portas em 2003 . A casa começou com a proposta de agregar pessoas bacanas da cena ‘alternativa’ da cidade, e muitos amigos dos anos 90 discotecavam lá (o Kid Vinil, o Giba Custódio...). Comecei como freqüentadora e depois de um tempo, eu me divertia substituindo um dos donos, o Click, quando ele não podia tocar. Deu tão certo que em pouco tempo eles me convidaram para ficar como residente.

- Das festas recentes nas quais atuou, encontrou com muitos artistas da cena sueca, como foram estas festas e teve algum momento especial, cômico ou de apuro que gostaria de compartilhar aqui?

Ai, tiveram coisas bem bacanas! Quando o Erlend Øye tocou no Studio SP, por exemplo, eu dividi o palco com ele (logo depois do show). Era Natal e ele entrou no palco com chapeuzinho de Papai Noel...
Também tem a historia com o Vanguart, que foi bem engraçada.... Era o primeiro show dos meninos no Studio SP, e foi em plena Páscoa.... Como eu sou professora, tinha ganhado um monte de chocolate dos alunos e resolvi levar pro Studio, pra dividir com o pessoal. Eu tinha prometido isso pra eles na passagem de som, quando eu cheguei mais a noite, eles desacreditaram.... rolou um obrigado, moça dos chocolates’ durante o show e a amizade começou desde então. Na última Páscoa, rolou show outro do Vanguart e claro que levei chocolates de novo! Virou tradição. rs

Outra coisa maravilhosa é ouvir elogios sobre a sua discotecagem, não só dos freqüentadores da casa, mas também de quem você admira.... Já ganhei elogios do Bjorn (do trio Peter, Bjorn and John), e o mais recente foi do Matt Verta-Ray, que veio junto com o Jon Spencer. Ele falou que tinha adorado o que eu estava tocando. Nossa, não tem preço!

- (papo de mulher..) Qual o seu segredo para sobreviver à noitada de salto nas alturas?

Acho que anos de ballet clássico! (rs) Depois das sapatilhas de ponta, qualquer salto é besteira. Fora que eu confesso – pode estar me matando de dor que eu não desço do salto! Tudo em nome do fashionismo!

-  Que banda ou artista você gostaria de ter estampada em uma camiseta e porquê?

Faria uma compilação das capas dos melhores discos dos anos 90 e ainda escreveria “I Love 90s” (que era uma festa que eu tinha) só pra nao deixar dúvida!!! (rs). Ou pegaria a Bjork (uma das minhas favoritas) e usaria a arte das capas dos CDs dela, que são sempre fenomenais!

                                                                                              foto Renata Chebel

Confira a agenda da DJ:

07/5 - discoteca em noite com Júpiter Maçã
15/5 - junto com o Jumbo Elektro e Cérebro Eletrônico
23/5 - com o Ludov
29/5 - com o Mombojó
13/6 - com Jens Lekman

escrito por Patty Dijigov

Por Colaborators | 13 comments

Olá! Você precisa estar logado para comentar. Clique aqui e faça um cadastro super rápido!

it www.reverbcity.com xl

Você precisa estar logado para comentar.

Depois de ve-la pilotando a vibe no Studio SP após o show do David Bowie "cover" adorei, além de ótimo som ela transmite muita sensualidade e personalidade! Meus parabéns e gostaria de encontra-la novamente em algum evento!

Você precisa estar logado para comentar.

arrazô que ela estamparia capas dos cds da Björk. se tiverem por aqui, compro umas 05, de antemão. uhasuhashua. façam! é bacana penkas!

Você precisa estar logado para comentar.

linda! simpResmente linda! e tem um puta bom gosto na discotecagem... já rebolei muito lá no studio sp conduzido pelo som de nossa amiga chocolateira! patty e tony: posso pedir um favor? no meu último pedido de camisetas tem o meu endereço... eu autorizo sem problema vcs darem meu endereço pra MISS MÁ, pra ela me mandar chocolates e mais chocolates e quem sabe até uns fios desse cabelo lindo dela!hehe :O

Você precisa estar logado para comentar.

uia! eu tb mandei chocolates pra AS e na verdade esta sustentando estes marmanjos? bora abrir uma cpi na vida da fessorinha... *rs

Você precisa estar logado para comentar.

Aha! Agora já sei onde foram parar os chocolates que a AS levou pra escola* hehe

Você precisa estar logado para comentar.

Adorei a dica da T-shirt!! Pensem com carinho gentemm.. :)

Você precisa estar logado para comentar.

o rafa nao perdoa ninguem ,nem as nossas entrevistadas, gabi vamos ter que comprar uma colera pro guri... *rs

Você precisa estar logado para comentar.

putz, um dos meus sonhos é virar DJ e viver só disso, rs. adorei a entrevista com ela, lembro do atari club pelo site na net, uma pena não ter chegado a ir.

Você precisa estar logado para comentar.

agora bateu saudades da "dupla de causadoras" que a gente fazia na ampgalaxy...

Você precisa estar logado para comentar.

A Miss Ma é ótima. Já fui em vários Clubes e festas em que ela estava discotecando, principalmente nas Invasões Suecas no Studio SP. Ela tem tudo a ver com a Reverb.

Você precisa estar logado para comentar.

que gatãmmm! adahhahh

Você precisa estar logado para comentar.

Muito boa a entrevista. Vou prestar vestibular no final desse ano, pra jornalismo..E ao mesmo tempo entrarei no curso de Dj que está tendo aqui. Se em 6 meses eu não curti a facul, eu laragarei, e me dedicarei a o mundo das pistas de dança.

Você precisa estar logado para comentar.